Casos em que o FGTS pode ser usado no consórcio de imóveis

Casos em que o FGTS pode ser usado no consórcio de imóveis - Ademilar

No consórcio imobiliário, é possível utilizar o saldo do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) para complementar o valor do crédito, liquidar e amortizar o saldo devedor e até realizar o pagamento parcial ou total de lances. Saiba mais sobre as possibilidades a seguir!

O benefício pode ser usado pelos consorciados que já tenham sido contemplados com a carta de crédito. Para isso, o FGTS deve ser do titular da cota do consórcio.

Regras para utilização do FGTS no consórcio

Existem algumas exigências para a liberação do FGTS no consórcio, regulada pelo Conselho Curador do FGTS. O consorciado não pode ser proprietário, usufrutuário, promitente comprador ou cessionário de imóvel residencial localizado no município onde trabalha ou resida, incluindo-se, em ambos os casos, os municípios limítrofes e os integrantes da mesma região metropolitana na data da compra do bem, nem possuir um financiamento ativo do Sistema Financeiro da Habitação (SFH) em qualquer localidade do território brasileiro.

Além disso, é necessário que o imóvel seja residencial urbano e esteja situado na cidade em que o beneficiado trabalha ou mora há mais de um ano. O comitê regulamenta também que a utilização do FGTS é permitida para abatimento no consórcio de imóveis, desde que o imóvel esteja avaliado em até R$1.500.000,00.

Impeditivos para a utilização do FGTS no consórcio

Existem algumas situações específicas que podem impedir a utilização do saldo do fundo de garantia no consórcio. O imóvel a ser adquirido não deve apresentar negociações com o FGTS nos últimos três anos. Também não é possível realizar essa operação em imóveis comerciais, aquisição de terrenos, reformas e compra de bens para dependentes ou terceiros. Para mais especificações sobre o fundo de garantia no consórcio, disponibilizamos um manual gratuito, confira.

Quando utilizar o FGTS no consórcio

Veja a seguir as possibilidade de utilização do fundo de garantia no consórcio imobiliário:

Complementar o valor do crédito

Caso o cliente contemplado deseje adquirir um imóvel de valor mais alto que a carta de crédito, é possível utilizar o saldo do FGTS com essa finalidade. Vale ressaltar que, na operação, é permitida a compra de um imóvel residencial averbado ou construção em terreno próprio e quitado. Em tais casos, o saldo do fundo de garantia do cônjuge, companheiro ou terceiro também pode entrar como parte do valor, desde que a pessoa figure no contrato de compra como coadquirente. Para isso, a administradora irá solicitar a sua adesão também no contrato de consórcio.

Liquidação e amortização do saldo devedor no consórcio

Para quem já foi contemplado e teve o bem entregue, o fundo de garantia pode ser usado para abater até 80% do total das próximas 12 parcelas a vencer. Se estiver enquadrando nas normas do Conselho Curador do FGTS, o consorciado consegue repetir esse processo anualmente. Portanto, com parcelas em atraso, é possível amortizar as prestações em aberto, desde que sejam no máximo três.

Também existem casos de liquidação do saldo devedor do consórcio, ou amortização extraordinária, quando o cliente contemplado, e com o bem adquirido pode pagar parte do valor que deve, ou até quitar toda a dívida. Além disso, há a possibilidade de amortizar o saldo devedor com redução de prazo. Neste caso, o valor do FGTS abate as parcelas de trás para frente, alterando o prazo final da cota. No processo de amortização, a cota de consórcio deve estar com os pagamentos em dia.

Pagamento parcial ou total de lances contemplados

Os lances no consórcio são uma tentativa de antecipar a contemplação e assim seguir com os projetos imobiliários. A Ademilar trabalha com três tipos de lance: o livre, quando o consorciado define a quantidade de parcelas que deseja concorrer e o vencedor é aquele que ofertar o maior número; o fixo e o limitado, quando o cliente oferta um número limite de parcelas de lance, de acordo com o aditivo do grupo. Existe, ainda, a possibilidade de usar parte do próprio crédito ou o saldo total do FGTS. Para os casos de FGTS, mesmo que no lance, a finalidade do crédito deve seguir as regras do Conselho Curador.

É importante destacar a necessidade de verificar, no contrato do consórcio adquirido, se as transações listadas acima são permitidas. Na Ademilar, nossos consultores estão sempre disponíveis para orientar os clientes.

O FGTS pode ser de grande ajuda para a realização de projetos imobiliários, não é mesmo? Faça já uma simulação no site da Ademilar.

Este conteúdo foi originalmente escrito em agosto de 2011 e atualizado para conter informações mais completas e precisas.

Veja também: Tudo que você precisa saber para começar a investir em um consórcio de imóveis em 2020

Sobre a Ademilar

A Ademilar é especialista e pioneira em consórcio de imóveis no Brasil, desde 1991 já atendeu mais de 60 mil clientes e comercializou mais de 14 bilhões em créditos. Se o seu objetivo é comprar, construir, reformar, investir em imóveis, garantir o futuro dos filhos ou fazer uma aposentadoria imobiliária, a Ademilar irá te ajudar a planejar o seu futuro e o de sua família!

Acesse o site e faça uma simulação www.ademilar.com.br

Conheça mais sobre consórcio

5 comentários em “Casos em que o FGTS pode ser usado no consórcio de imóveis

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *