Notícias

21Ago2008

Negócios na Feira de Imóveis chegam a R$ 60 milhões

 

Os negócios realizados e iniciados dentro da Feira de Imóveis do Paraná, encerrada no último domingo, totalizarão volume de cerca de R$ 60 milhões, ante os R$ 55 milhões projetados inicialmente pela Ademi-PR (Associação dos Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário), promotora do evento. A feira foi realizada de 13 a 17 de agosto, no Estação Embratel Convention Center, em Curitiba, e reuniu 60 expositores, que apresentaram mais de dez mil imóveis de Curitiba, região metropolitana, litoral do Paraná e litoral de Santa Catarina.

O montante, que é calculado com base no que já foi realizado e no que ficou engatilhado para os próximos dias, surpreendeu a Ademi e os próprios expositores. É reflexo do sólido crescimento do mercado imobiliário, que levou à feira público realmente interessado em comprar. Prova disso é que o evento teve recorde de negócios, mas com menos visitantes do que na edição passada. Foram 26.340 pessoas ante as 29.208 de 2007. "Tivemos menos público, mas quem foi à feira estava bem focado em pesquisar e comprar seu imóvel, o que refletiu no montante de R$ 60 milhões. No ano passado, mesmo com mais pessoas, fechamos R$ 45 milhões em vendas", avaliou o presidente da Ademi-PR, Hugo Peretti Neto, atribuindo às fortes chuvas nos primeiros dias do evento o principal motivo para a queda no número de visitantes.

Para Hugo, o maior interesse tem a ver com o momento do mercado. "Os juros mais baixos, a maior oferta de linhas de financiamento, os maiores prazos para pagamento e os vários lançamentos das construtoras incentivam as pessoas a comprarem imóveis para morar ou investir", disse Hugo, dizendo que no estande da construtora Hugo Peretti, da qual é diretor, a procura por imóveis foi 25% superior em comparação com a feira de 2007.

Os expositores seguem a mesma linha de raciocínio. Para o gerente de vendas da Invespark, Gilberto Nascimento, mesmo com menos visitantes no estande, a empresa conseguiu resultado 30% maior este ano em relação a 2007. "Vendemos 20 unidades dos nossos apartamentos compactos, com volume de cerca de R$ 2 milhões. Isso foi 30% a mais do que em 2007, superando as nossas expectativas, que era crescimento de 20%".

No consórcio de imóveis Ademilar o resultado também superou o obtido no ano passado. Os créditos de consórcio vendidos (a serem retirados com a contemplação dos consorciados) somaram R$ 3,8 milhões. Segundo a diretora da empresa, Tatiana Reichmann, a expectativa até o final de agosto é que atinjam R$ 4,5 milhões. Na feira de 2007, o valor vendido durante o evento foi de R$ 2 milhões. "Esse crescimento reflete o aquecimento do mercado imobiliário e a busca por investimentos mais seguros, como são os imóveis", diz.

Na Paysage Condomínios foram "amarradas" 24 propostas de negócios, das quais pelo menos 18, segundo o diretor Juliano Hinz Maran, serão fechadas nos próximos dias. "Significa 20% a mais do que os resultados de 2007", aponta.

Para Jerônimo A. dos Anjos, gerente de vendas da Embracon e gestor do Consórcio de Imóveis Apolar, a participação no evento foi satisfatória. "Nossa meta era comercializar algo em torno de R$ 5 milhões em créditos imobiliários durante a feira. Realizamos uma parte disso em nosso estande, sendo que a outra parte nós pretendemos alcançar com as visitas marcadas por nossa equipe de vendas".

Na concepção de Jacirlei Santos, diretor de marketing da Casteval Construção e Incorporação, o evento foi o melhor que a empresa teve nos últimos anos. Isso porque, de acordo com ele, o público apresentou grande interesse na aquisição de imóveis. "O número de cadastros fizemos nessa edição foi até inferior em relação ao ano passado. Porém, achamos que são pessoas mais comprometidas, com as quais podemos fechar negociações na seqüência", coloca.

O diretor da Hartmann Imóveis, Milton Hartmann, pensa da mesma forma. Para ele, a grande surpresa da feira foi a qualidade dos clientes. "Teremos pelo menos um mês de trabalho com a prospecção que fizemos na Feira de Imóveis. Os visitantes vieram realmente com o intuito de fechar negócios", afirma. Hartmann conta que a meta da empresa era vender 15 imóveis e acredita que nas próximas duas semanas esse número deverá ser alcançado. "Esperamos somar R$ 2 milhões em imóveis vendidos, 40% a mais que na edição passada", diz.

Com perspectivas semelhantes, Ilso José Gonçalves, diretor da JBA Imóveis, declara que nesta edição as pessoas se demonstraram mais bem informadas e já com condição de compra. "Vendemos dois imóveis no evento e todos os nossos corretores estão com visitas marcadas para durante a semana. A prospecção que fizemos foi boa, pois cadastramos pelo menos 300 clientes por dia em nosso estande", relata.

Segundo Gilda Ilze Hinz, sócia-gerente da H2a Imóveis, o evento trouxe uma nova clientela para a empresa. "Durante nossa presença, angariamos mais de 20 negócios, sendo que seis deles foram fechados no próprio estande. Isso soma R$ 1,5 milhão, mas ainda esperamos conseguir mais R$ 3 milhões no pós-feira", conta.

Para Luiz Rodrigo Castro Santos, diretor comercial do Grupo LN, a Feira de Imóveis já é consagrada pela prospecção de novos clientes e pelos fechamentos futuros que proporciona. Segundo ele, em 2008 a feira trouxe um público de muita qualidade, ou seja, realmente interessado em comprar. Isso movimentou não só os estandes, mas também os plantões de vendas da construtora. "Em um deles, tivemos um aumento de 100% no número de visitantes habitual do final de semana", completa.

A Redeimóveis, associação que reúne 12 das principais imobiliárias de Curitiba (Tha, Moro, Habitec, Imoveltec, Futurama, Razão, Cilar, Cibraco, Galvão, Galvão Vendas, Estilo e 2000), além de iniciar negócios para sua carteira de 2.500 imóveis, também conseguiu prosseguir com a sua campanha de angariação. "Fizemos bons contatos com proprietários para deixar seus imóveis com as nossas imobiliárias, pois terão a certeza de tranqüilidade e segurança nos negócios", disse Luiz Valdir Nardelli, presidente da Redeimóveis, que oferece o 0800 645 3094 para quem quer deixar seus imóveis para venda ou locação".

O estande da CAIXA na Feira de Imóveis também foi muito procurado pelo público em busca de informações a respeito de financiamento e consórcio imobiliário. A instituição financeira contabilizou 1080 atendimentos e simulações, envolvendo mais de R$ 132 milhões em volume de negócios. De acordo com o gerente regional da CAIXA, Alvaro Luiz Martins, a participação no evento teve um resultado muito positivo. "Auxiliamos as famílias na identificação do imóvel de acordo com as suas possibilidades financeiras, a partir da simulação personalizada", afirma.

Fonte: Paranashop

Indique para seus amigos